Como somos enganados (por nós mesmos)

Introdução: Nosso cérebro tem alguns “bugs“, e constantemente somos enganados por ele. Podemos ver ou ouvir coisas que não existem. Podemos ter a impressão errada sobre uma forma ou um barulho. Podemos crer em curas milagrosas, astrologia, homeopatia, numerologia. E podemos acreditar que determinado produto é melhor do que outro unicamente pela sugestão de que assim o seja. E o trecho abaixo, retirado do livro de Leonard Mlodinow, “O Andar do Bêbado – como o acaso determina nossas vidas“, fala um pouco sobre esse último exemplo de uma forma leve e interessante.

***************

Nos anos 1970, a indústria dos vinhos era um empreendimento adormecido; crescia, mas principalmente nas vendas de vinhos de baixa qualidade. Então, em 1978, ocorreu um evento muitas vezes creditado pel rápido crescimento da indústria: um advogado autoproclamado crítico de vinhos, Robert M. Parker Jr., decidiu que, além de escrever artigos críticos, daria notas numéricas aos vinhos, numa escala de 100 pontos. Ao longo dos anos, a maior parte das publicações especializadas passou a fazer o mesmo. Atualmente, as vendas anuais de vinhos nos EUA passam de US$ 20 bilhões, e milhões de consumidores fanáticos evitam colocar a mão no bolso sem antes observar a classificação de um vinho para sustentar sua escolha. Assim, quando a revista Wine Spectator deu, digamos, nota 90 em vez de 89 ao cabernet sauvignon Valentín Bianchi de 2004, um vinho argentino, esse ponto a mais representou uma enorme diferença nas vendas do produto. De fato, se observarmos uma loja de vinhos, veremos que as bebidas em promoção, menos procuradas, muitas vezes possuem notas um pouco abaixo de 90. Mas qual é a probabilidade de que o  Valentín Bianchi de 2004, que recebeu nota 90, tivesse recebido nota 89 se a avaliação houvesse sido repetida, digamos, uma hora depois?

Do ponto de vista teórico, temos muitos motivos para questionar o significado das classificações de vinhos. Para começo de conversa, a percepção do sabor depende de uma interação complexa entre estímulos ao paladar e ao olfato. Em termos estritos, o sentido do paladar surge de cinco tipos de células receptoras presentes na língua: salgado, doce, azedo, amargo e umami. Este último responde a certos aminoácidos (presentes, por exemplo, no molho de soja). Mas se a percepção do paladar não passasse disso, poderíamos imitar qualquer coisa – nossa refeição preferida de bife, batata assada e torta de maçã, ou um bom espaguete à bolonhesa – usando apenas sal de cozinha, açúcar, vinagre, quinino e glutamato monossódico. Felizmente a gula não se resume a isso, e é aí que entra o sentido do olfato. Ele explica por que, se pegarmos duas soluções idênticas de água com açúcar e acrescentarmos essência de morango (sem açúcar) a uma delas, esta irá parecer mais doce do que a outra. O sabor que sentimos no vinho surge dos efeitos de uma mistura de 600 a 800 compostos orgânicos voláteis sobre a língua e o nariz. Trata-se de um problema, pois foi demonstrado que até mesmo profissionais bem treinados raramente conseguem identificar com segurança mais que três ou quatro componentes numa mistura.

As expectativas também afetam nossa percepção do sabor. Em 1963, três pesquisadores acrescentaram secretamente um pouco de corante vermelho ao vinho branco, dando-lhe aparência de rosé. pediram então a um grupo de especialistas que avaliasse sua doçura em comparação ao vinho não tingido. Para os especialistas, o falso rosé pareceu mais doce que o vinho branco, o que correspondia a suas expectativas. Outro grupo de pesquisadores deu duas taças de vinho a um grupo de estudantes de enologia. Ambas continham o mesmo vinho branco, mas a uma delas foi acrescentado um corante insípido de antocianina de uva, que fez com que o vinho parecesse tinto. Novamente, os estudantes notaram diferenças entre o vinho tinto e branco, segundo suas expectativas. E num estudo feito em 2008, um grupo de voluntários deu nota melhor a uma garrafa com etiqueta de US$ 90 que a outra com etiqueta de US$ 10, embora os sorrateiros pesquisadores tivessem enchido as duas com o mesmo vinho. Além disso, o teste foi feito enquanto o cérebro dos voluntários era visualizado com um aparelho de ressonância magnética. As imagens mostraram que a área do cérebro considerada responsável por codificar nossa experiência do prazer ficava muito mais ativa quando os voluntários tomavam o vinho que acreditavam ser mais caro. Porém, antes de julgar os enófilos, considere o seguinte: quando um pesquisador perguntou a 30 consumidores de refrigerante se preferiam Coca-Cola ou Pepsi e depois lhes pediu que testassem sua preferência, provando as duas marcas lado a lado, 21 dos 30 voluntários afirmaram que o teste do sabor confirmava sua escolha, embora esse pesquisador sorrateiro houvesse colocado Coca-Cola na garrafa de Pepsi, e vice-versa.

Quando realizamos uma avaliação ou uma medição, nosso cérebro não se fia apenas nos estímulos perceptivos diretos. Ele também integra outras fontes de informação – como a nossa expectativa.

4 Respostas para “Como somos enganados (por nós mesmos)

  1. Nosso cérebro vem com defeitos de fábrica e não há recall. Somos mais irracionais do que imaginamos. Leia em: Previsivelmente irracional – Dan Aryeli!

  2. Muito bom texto Alex!

    Mas já acho que tem recall sim, mas não de graça, até porque um bom psiquiatra sai caro.

  3. MAGNIFICO…TEM LER TEM QUE ENTENDER O SENTIDO DA COISA…POI MUITOS LEEM POR FORA E CRITICAM….ENTENDI QUE NAO SE FAZ CRITICAS AOS RELIGIOSOS MAS NA ESSENCIA DO QUE REALMENTE ACONTECE COM UM DEUS CRIADO PELO HOMEM…MUITAS MENTIRAS E PROMESSAS ONDE MANIPULADOS ATE SE SUICIDAM POR DECEPCOES….PESSOAL ESTUDEM MAIS..LEIEM..POIS SO ASSIM DEIXAREMOS DE SER ACORRENTADOS EM ALGUNS LUGARES DA ALMA…………….E VC QUE E CRISTAO,DIGO QUE TBEM JA FUI E CONHECI PARA FALAR UM POUCO QUE APRENDI..E BOM LER SE POR NA PALAVRA,BUSCAR COISAS PARA O BEM ESTAR MAS SER DOMINADO POR TUDO..DEIXAR DE VIVER EM VC MESMA,JA E UMA CONTRADICAO..SE VC TEM LIVRE ARBITRIO ENTAO PQ SE LIMITA DE TUDO QUE PENSA..MAS VC PENSA E NAO FAZ POR MEDO DA MORTE TRNA QUE APRENDEU NA IGREJA..AI VC ME RESPONDERA : TENHO LIVRE ARBITRIO MAS NEM TUDO CONVEM A DEUS…ELE ME AMA MAS NAO AMA O PECADO?..QUE PECADO? SOMOS CARNE E OSSO,NASCEMOS COM ESSES DESEJOS E SOMOS LIMITADOS A VIVER…MAS OLHE TENTE OLHAR POR TRAZ DAS FRESTAS …ME ENTENDA MELHOR,ESCONDERAM O DEUS VERDADEIRO,,UMA PALAVRA QUE VC CONHECERA ONDE JESUS DISSE (MEU POVO PERECE POR NAO EXAMINAR AS ESCRITURAS)…..ALGO ESSA MENSAGEM ALGUEM QUIZ AVISAR PARA ACORDADEM…VC E FORTE PARA ASSUMIR SEUS ERROS NAO COLOQUE A CULPA NO DIABO..APRENDEMOS A DIZER QUE SE ERRAMOS E O DIABO CULPA DELE..SE TEMOS ALGUMA PSICOSE SEI LA,A CULPA E ESPIRITUAL ETC…A CULPA E TODA SUA…SE CUIDE.VC PODE CAIR E LEVANTAR SEM AJUDA DE NINGUEM MAS DE VC MESMA ,SO ASSIM QDO VC SE AMAR APARECERA A VERDADEIRA AMIZADE…..CUIDE SE….NAO JULGUE MAS EXPONHA …..ESTUDE TEOLOGIA,FILOSOFIA,CIENCIA,RELIGIOES,PSICOLOGIA.ETC ETC……..SEM MEDO TERAS UMA VISAO UM POUCO MAIS AMPLA E ENTENDERA SEUS IRMAOS..ISSO E AMAR O PROXINO..SEM IRONIA..RSRS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s